segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Post inteiramente dedicado à Lu, ou para quem estiver na mesma situação

Porque ía escrever um comentário a este post, mas era tão grande que posso deixar aqui:



Oh Lu, não tenhas medo, o meu texugo foi para a creche no dia em que fez 4 meses... Doeu muito em mim, já nele? Acho que nem sentiu, primeiro porque ia lá de 3/3 horas dar o peito, e depois porque ele gosta é do "lareu", basta que brinquem com ele ou até falem para ele que ele fica todo feliz.

Quanto a doenças, olha sem medos, o meu era super saudável, mas aos 6 meses fez a sua primeira bronquiolite, até agora já fez 3 (ainda só tem 10 meses). Se é da creche? Não sei... Ele fica doente com as mesmas coisas que eu fico: mudança de temperatura, dias muito quentes e noites muito frias, tempo enublado é suficiente para me deixar constipada (ou com alergias) e ele parece-me ser igual. Vamos levando sem dramas!

Quanto a avós, é tudo muito “lindo”, e eu agradeço todos os dias porque os meus sogros podem ficar com ele caso esteja doente (a minha mãe ainda trabalha), mas lá no fundo há sempre coisas que eles fazem que tu não estás de acordo, coisas que tu fazes que eles criticam, etc, é a natureza dos pais (avós), acharem que os filhos (pais) ainda não têm experiencia suficiente. E não deixam de ter razão, nós somos inexperientes, mas vamos aprendendo e fazemos o que o nosso coração manda fazer. Sim, porque manda mais o coração que outro órgão qualquer. Temos que ter muita calma a gerir essas críticas e os acontecimentos.

Quanto ao tempo que passas com ele, disseste algo muito acertado: tempo de qualidade, pode ser pouco, mas tem que ser bom… Podes até estar maluquinha que ele adormeça porque tens mil e uma coisas para preparar para o dia seguinte, mas no tempo em que ele está acordado, brinca, tira fotos, faz cocegas, fá-lo rir. 

Sabes uma regra que eu adotei desde que ele era muito pequenino, para sair de casa ele tem que ser acordado, não adianta pegares nele da cama e meter no ovo ainda a dormir. Até podia ter feito isso, deixava-o na creche a dormir, era fixe não tinha que lhe mudar a roupa, ele andava sempre de pijama, mas nunca fiz isso. Achava bom acorda-lo, falar com ele, dar-lhe beijos e aperta-lo contra mim. Hoje, agora que ele já interage, responde à moda dele, é muito giro entrar no quarto dele, acender a luz chamar o nome dele e vê-lo a sorrir ainda de olhos fechados. São muito raros os dias em que acorda zangado, muito raros mesmo. E depois é ajuda-lo a sair da cama, é super preguiçoso, adora esticar-se no seu colchão.

E o trabalho, esse monstro (monstro que ainda hoje está por pôr em dia)… Sim porque até agora o trabalho estava sempre nos primeiros lugares das prioridades, hoje? Está nos últimos, oh pá, continuo a querer ser boa profissional, mas como já disse o coração manda mais que a cabeça. Ponto Final.

Com calma, tudo vai ao sítio, as rotinas, os horários, vais ter dias de suar em bica para chegares a horas, vais ter dias de te zangares porque ele acordou de “trombas” e faz birras para tudo, mas depois aquele sorriso quando o abraças, é assim algo para derreter o coração.

“Keep calm, you are a mummy!”
 


3 comentários:

Luciana disse...

Filipa,

Obrigada pelo comentário que se transformou num post :)
Penso como tu sobre o que escreves...De manhã, temos quase 1 hora para meter a brincadeira em dia (e como ele acorda sempre bem disposto...). Entre as 7h e pouco e as 8h, sou dele. Isso implica levantar-me perto das 6h00 para me despachar, arranjar a marmita, deixar o jantar organizado. Mas compensa... ir para o trabalho e levar as gargalhadas dessa manhã gravadas na minha memória é uma benção-

Hoje, custou-me chegar à creche e ele ser o penúltimo da sala a ir embora, mas ao mesmo tempo, a "ama" estava a dar-lhe os miminhos todos, por isso, ele não estava desamparado.

Sim! neste momento, vejo o trabalho como uma coisa necessária, mas sei que tenho de levar as coisas com calma e dar a importância que ela tem. Gosto de ter a rotina de volta e de me sentir "util". O pior mesmo é a carga horária :(

Beijinhos e mais uma vez...obrigada pelo post :)

Paula Santos disse...

Não tenho filhotes, mas concordo que é uma situação difícil e tanto aquilo que tu disseste como a Luciana, é o mais correto.
:)

tralhas de mulher disse...

:) fui deixar ontem o meu bebé à creche com 4 meses e meio... este post tocou-me :)! Força Lu :) é tudo uma questão de conseguirmos as novas rotinas :)